O Trabalho, Ponto de Missão

Work as mission, a missão no local de trabalho: testemunho e transformação.

As pessoas do Movimento de Lausanne estão prestando mais e mais atenção ao local de trabalho. Por local de trabalho se entende qualquer ambiente no qual as pessoas desempenham sua atividade laboral – negócios, governo, educação, medicina, cuidado das crianças em casa, ONG… – fora da igreja e de suas organizações. O Compromisso de Lausanne deu uma especial relevância ao local de trabalho na seção II A 3: “A verdade e o local de trabalho”. Por que toda esta atenção? Há duas razões fundamentais: Testemunho e Transformação. As duas derivam da Grande Comissão.

TESTEMUNHO NO LOCAL DE TRABALHO

As oportunidades de contato nos levam a reconhecer que o local de trabalho é um ambiente frutífero para o testemunho. Tem seu ponto de partida na primeira parte da Grande Comissão: “Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações” (Mateus 28:19).  O local de trabalho é um dos poucos lugares onde crentes e não crentes passam muito tempo juntos e leva-os a se conhecerem muito bem.

Muitas pessoas, especialmente nas economias pós-industriais, fazem algumas de suas amizades mais íntimas no trabalho.

Em algumas partes do mundo, a evangelização pública ou que tenha a igreja como base está proibida, restrita ou é ineficaz, mas os cristãos têm uma oportunidade de falar individualmente com seus colegas de trabalho.

Ao longo da vida, passamos umas 100.000 horas no trabalho, onde às vezes se criam laços a partir de tarefas ou interesses comuns. Isto gera oportunidades de se falar sobre temas importantes como a questão de Deus.

Se estamos abertos de coração, chegamos a amar e a nos preocupar por nossos companheiros de trabalho. Se somos colaboradores dignos de confiança e respeitosos, muitos deles responderão à nossa amizade. Pode ser que nos perguntem qual é a fonte de nossa conduta e integridade e, naturalmente, falaremos de Jesus quando respondermos. Eles podem achar este tipo de conversa menos agressiva, dissuasiva ou falsa e podem considerá-la mais amistosa, aberta e autêntica que se estivessem falando com um estranho ou indo a uma igreja.

TRANSFORMAÇÃO DO LOCAL DE TRABALHO

A segunda razão pela qual o local de trabalho está atraindo a atenção é a transformação. A transformação aparece na segunda metade da Grande Comissão: “ensinando-os a guardar todas as coisas que vos tenho ordenado” (Mateus 28:20). Obedecer a Deus transforma as vidas das pessoas, das organizações e as culturas; em outras palavras, os locais de trabalho.

Por exemplo, obedecer ao mandamento de “AMARÁS A TEU PRÓXIMO COMO A TI MESMO” (Mateus 22:39), pode levar-nos a criar produtos e serviços que melhorem a vida das pessoas, além de nos proporcionar um rendimento financeiro.

As palavras de Jesus: “Era forasteiro, e me hospedastes” podem levar-nos a aumentar as oportunidades de emprego para pessoas que antes eram discriminadas ou subaproveitadas em nosso local de trabalho.

O que Paulo nos recorda é que “a manifestação do Espírito é concedida a cada um visando a um fim proveitoso”, o que pode levar-nos a cuidar do meio ambiente, educar os filhos, praticar a justiça no trabalho ou planejar estratégias financeiras que beneficiem nossas comunidades.

O trabalho tem sido parte do desígnio de Deus desde o princípio (Gênesis 1:28; 2:15), e quando trabalhamos em Cristo, todo o trabalho se converte para o serviço a Deus (Colossenses 3:23).

TESTEMUNHO E TRANSFORMAÇÃO: CÍRCULO PERFEITO

Lamentavelmente, alguns cristãos consideram que o testemunho e a transformação se opõem mutuamente: alguns podem estar preocupados com o fato de que trabalhar para transformar nossos locais de trabalho poderia nos distrair de falar de Jesus a nossos companheiros.

Outros se preocupam com a possibilidade de que dar prioridade ao testemunho levaria-nos a não nos interessarmos pela qualidade e produtividade de nosso trabalho.

O bom é que há uma consciência crescente de que o testemunho e a transformação se fortalecem mutuamente.

Quando os cristãos realizam um trabalho bom, de alta qualidade, que serve aos clientes, a seus companheiros e comunidades, isto abre a porta ao testemunho evangelístico.

E quando as pessoas se convertem, Deus começa a transformar seus locais de trabalho, começando por elas próprias, para que façam um bom trabalho, sirvam às pessoas e se convertam em uma benção para suas comunidades.

É UM CÍRCULO QUE SE AUTODINAMIZA

Ambos estão integrados em Atos 16:11-24.

A primeira parte da passagem, Atos 16:11-24, nos fala de Paulo pregando o Evangelho no local de trabalho de Lídia e de outras trabalhadoras têxteis. Com frequência, Paulo e outros evangelistas não eram bem recebidos nos lugares públicos ou religiosos, mas eles encontravam uma grande acolhida na oficina têxtil, talvez porque o próprio Paulo trabalhava com eles como obreiro têxtil (fazedor de tendas).

A segunda parte, Atos 16:16-24, nos diz que Paulo e Silas libertaram uma obreira explorada, de sua opressão espiritual e econômica. A obreira, uma escrava, estava possuída por um demônio. Seus donos, em lugar de tratar de curá-la, exploravam seu sofrimento. Apresentavam-na como uma adivinha e ela “dava grande lucro aos seus senhores”. Paulo expulsou o demônio e pôs fim a este episódio de engano de clientes e opressão laboral.

Vindo imediatamente depois da conversão dos obreiros têxteis, isto nos ensina que quando o Espírito Santo entra nos locais de trabalho, as pessoas se convertem e os ambientes de trabalho são transformados para sempre.

IMPLICAÇÕES E POSSÍVEIS RESPOSTAS

O que o Movimento de Lausanne pode fazer para encorajar o testemunho e a transformação mediante o ministério no âmbito laboral? As sementes estão plantadas em seções específicas do Compromisso da Cidade do Cabo: seção II A 3, “Verdade e lugar de trabalho”. Vamos explorar mais a fundo duas delas.

  1. Afirmar a missão de todos os crentes

“Encorajamos todos os crentes a aceitarem e a afirmarem que seu próprio ministério e missão estão ali onde Deus os chamou a trabalhar. Desafiamos os pastores e líderes de igrejas a apoiarem as pessoas que estão em tais ministérios, na comunidade e no âmbito laboral, a ‘equipar os santos para obras de serviço (ministério) em cada parte de suas vidas’.” (Compromisso da Cidade do Cabo II A 3B).

O Movimento de Lausanne pode influenciar as igrejas e organizações relacionadas para que ajudem seus membros a apresentarem seu trabalho como a missão que fazem para Deus. A maioria dos cristãos diz que a igreja não oferece muita ajuda a eles na hora de aplicar sua fé ao trabalho. O que se pode fazer para ajudar?

Os pregadores podem prestar mais atenção aos aspectos sobre o trabalho que aparecem nas escrituras. Um recurso apropriado para isto é o Projeto Teologia do Trabalho (www.theologyofwork.org), que tem quase um comentário para cada livro da Bíblia sobre o que dizem sobre o trabalho normal, os trabalhadores e os locais de trabalho. Na Bíblia há muito mais coisas sobre o trabalho do que a maioria das pessoas imagina.

As igrejas podem criar um ciclo de 4 a 8 semanas para que seus grupos de estudo bíblico prestem especial atenção a temas relacionados com o trabalho quando estudam a Bíblia juntos. Isto ressalta a seus membros que Deus se interessa por seu trabalho, seja ele qual for.

As igrejas podem interessar-se, orar e apreciar o trabalho de seus membros naquilo em que se ocupam. Pode-se pedir aos membros que tragam suas ferramentas ou símbolos de seu trabalho à reunião de adoração e dedicá-los para o serviço de Deus. O catedrático R. Paul Stevens propõe:

“Dê-me três minutos para fazer quatro perguntas em uma reunião cada domingo durante um ano. Eu pedirei a uma pessoa diferente a cada semana que se ponha de pé diante da congregação e lhe direi:

  • Diga-nos que trabalho você faz
  • Quais são algumas questões que você enfrenta em seu trabalho.
  • Sua fé o ajuda a enfrentar estas questões?
  • Como você gostaria que orássemos por você e por seu ministério em seu local de trabalho?
  • Depois oraríamos por essa pessoa.”
  1. Equipar todos os cristãos para serem agentes do reino de Deus no trabalho.

“São necessários intensos esforços para formar o povo de Deus em um discipulado que abranja toda sua vida, o que significa viver, pensar e falar a partir de uma cosmovisão bíblica e com uma eficácia missionária em cada lugar e circunstância da vida e do trabalho diário…” (Compromisso da Cidade do Cabo II A 3C).

  • O Movimento de Lausanne pode influenciar igrejas, organizações relacionadas e indivíduos para que capacitem os cristãos a serem agentes do reino de Deus em e através de seu trabalho.
  • As igrejas podem oferecer grupos pequenos os seminários onde as pessoas possam falar de seus afazeres diários a partir de uma perspectiva bíblica. A Igreja Presbiteriana Redentor (New York City), oferece grupos profissionais específicos para banqueiros, educadores, engenheiros, atores, diplomáticos, políticos e outras doze profissões. A Igreja Batista Adelaide Place (Glasgow, Escócia) e a Igreja Episcopal St. Mark (San Antonio, Texas, EUA), oferecem reuniões semanais, onde qualquer um pode chegar e obter a ajuda do grupo em uma reflexão sobre temas bíblicos, teológicos e práticos relacionados ao âmbito laboral.
  • Seminários, Escolas Teológicas e Escolas Bíblicas podem formar estudantes pastorais no que se refere a criar congregações que equipem seus membros para o local de trabalho. O Seminário Teológico Gordon Cornwell (próximo de Boston, MA, EUA), oferece programas de graduação em Liderança em locais de trabalho e ética nos negócios. O Regent College (Vancouver, Canadá) e o Laidlaw-Carey School (Auckland, Nova Zelândia) entre outros, oferecem cursos ou aulas de Ministério no âmbito laboral. Um grupo de 15 seminários norte-americanos formaram a Oikonomia Network para desenvolver programas e recursos.
  • As universidades e centros de estudo cristãos em cooperação com universidades seculares podem oferecer cursos, seminários e recursos para ajudar os estudantes de cada disciplina a integrar sua fé com seu estudo ou trabalho. As universidades de Cambridge e Oxford (Reino Unido), Melbourne (Austrália) e Princeton, Seatle Pacific, Concordia e La Tourneau (EUA), são algumas das que seguem esta iniciativa.
  • Os cristãos de cada área laboral podem unir-se com outros de sua localidade para formar ministérios dedicados ao mundo laboral e grupos de apoio. Há centenas de ministérios de locais de trabalho e negócios em cidades, regiões e países de todo o mundo.

 

O local de trabalho pode ser a maior área de testemunho e discipulado do século XXI. Será que Deus está chamando o Movimento de Lausanne para liderar esta obra?

Fonte: www.protestantedigital.com

 

The following two tabs change content below.

Martha Claros

Diretora da Área de Comunicação - COMIBAM Internacional

Latest posts by Martha Claros (see all)

Comments are closed.