“Não estou de acordo com Spurgeon!”

candidato-misionero

Por ED Burns

“Não estou de acordo com Spurgeon!” disparei, com uma voz que começou com segurança, mas minha breve afirmação diminuiu com vacilação e reserva.

Quem em seu perfeito juízo teria a audácia de admitir publicamente seu desacordo com o Príncipe dos Pregadores, Charles Spurgeon (1834-1892), em um seminário de doutorado no Seminário Teológico Batista do Sul? Bem, eu tive. A citação utilizada pelo professor foi: “Todo cristão ou é um missionário ou um impostor” (1). Com a profusão com que citamos Spurgeon nos círculos evangélicos, pode-se provavelmente supor que, muitas vezes, o citamos fora de contexto, o que era de fato o caso nesta situação (2). Mas a citação de Spurgeon refletia um sentimento popular de hoje, de que todo cristão é, de fato, um missionário. Tal declaração demonstra uma visão ingênua do chamado missionário.

Chamar todo cristão de missionário faz tanto sentido quanto chamar todo cristão de pastor ou pregador. Pastores que sentem uma inexplicável compulsão por proclamar a Palavra mês após mês, ano após ano, provavelmente argumentariam que, além do caráter semelhante ao de Cristo e da competência bíblica, qualquer pastor que deseje perseverar até o fim no ministério deve carregar alguma carga interna e pesada de um chamado forjado por Deus para pregar a Palavra. O mesmo vale para aqueles que Deus realmente chama para serem missionários.

Podemos supor coisas demais quando o sentido de chamado que descreve um aspirante a missionário é principalmente um interesse em alguma cultura/país estrangeiro. Um coração sangrando e um mapa do mundo não são suficientes. Há filosofias diferentes sobre o que exatamente se supõe ser o chamado missionário. Da mesma forma, devemos considerar e examinar estas várias crenças sobre o chamado missionário. E as Escrituras devem ter a última palavra.

Em primeiro lugar, devemos admitir que Deus não chama todos os cristãos para serem missionários. Não é todo cristão que pode ser um missionário, nem deve ser. Os cristãos podem descartar a urgência e a visão global da Grande Comissão ao dizer que somos todos missionários em nossa vizinhança e que isso é a extensão de sua participação no mandato missionário da igreja. De fato, testemunhar na vizinhança é parte do evangelismo, mas não completa o mandato missionário. Então, qual é uma definição aceitável de missionário? O missiologista J. Herbert Kane sugeriu uma definição útil:

No sentido tradicional, o termo missionário foi reservado para aqueles que têm sido chamados por Deus ao ministério em tempo integral da Palavra e da oração (Atos 6:4), e que têm cruzado fronteiras geográficas e / ou culturais (Atos 22:21) para pregar o evangelho naquelas áreas do mundo onde Jesus Cristo é, muito, se não completamente, desconhecido (Rm 15:20) (3).

Segundo Kane, os missionários vão a diferentes culturas ou cruzam fronteiras geográficas para pregar o evangelho. De maneira similar, alguns missionários-teólogos contemporâneos, de forma útil, definiram um missionário como:

Alguém que intencionalmente cruza fronteiras com o propósito de comunicar o evangelho para conquistar pessoas para Cristo, discipular novos crentes, plantar igrejas, treinar líderes biblicamente qualificados e ministrar a todo o corpo de Cristo de maneira holística. As fronteiras a serem cruzados podem ser linguísticas, cosmovisão religiosa, fronteiras geopolíticas, socioeconômicas etc. Na maioria das vezes, queremos dizer que este indivíduo deve passar de uma cultura para outra (4).

Estes estudiosos também, por uma questão de clareza de termos, diferenciam entre missão e missões:

Missão (singular) tem a intenção de ser mais amplo em seu alcance para se referir ao propósito e objetivo intencional e geral da igreja. Portanto, as discussões ou debates sobre a missão da igreja referem-se ao que Cristo encarregou Sua igreja de fazer no mundo. Missões (plural) refere-se a todas as muitas formas pelas quais as igrejas vem para realizar sua missão no mundo em esforços missionários reais para alcançar e ensinar os povos do mundo para a causa de Cristo (5).

Um missionário, então, claramente não é uma pessoa que simplesmente se aproxima de seu vizinho em seu bairro homogêneo. Tal pessoa está testemunhando obedientemente para Cristo em seu ambiente imediato, o que deveria ser parte do ministério evangelístico de qualquer igreja local. Mas ser uma testemunha e ser um missionário são duas categorias diferentes: a primeira é a responsabilidade geral de todos os cristãos e a segunda é o encargo especial de um ‘enviado’.

(1) Charles H. Spurgeon, ‘A Sermon and a Reminiscence’, Sword and the Trowel (março de 1873), citado en http://www.spurgeon.org/s_and_t/srmn1873.htm.

(2) O contexto completo da citação de Spurgeon indica que, se Spurgeon tivesse falado em termos contemporâneos, ele provavelmente teria mantido que todo cristão é ou um evangelista ou um impostor. Considere o contexto imediato: ‘Todo cristão aqui é um missionário ou um impostor’. Lembre-se disso. Ou você tenta difundir o reino de Cristo ou não o ama em absoluto. Não pode ser que haja um grande apreço por Jesus e uma língua totalmente silenciosa sobre Ele. Não quero dizer com isso, é claro, que aqueles que usam a caneta estejam calados: não o são. E aqueles que ajudam outros a usar a língua, ou a espalhar o que outros escreveram, estão fazendo bem a sua parte: mas aquele homem que diz: ‘Creio em Jesus’, mas não pensa o suficiente em Jesus para contar a outro sobre Ele, por boca, caneta ou tratado, é um impostor. Spurgeon, “Um sermão e uma reminiscência”.

(3) J. Herbert Kane, Compreensão das missões cristãs (Grand Rapids: Baker, 1974), 28.

(4) Zane Pratt, et al., Introdução às missões globais (Nashville: B&H Publishing Group, 2014), 3-4.

(5) Pratt, et al., Introdução às missões globais, 3.

ED Burns, PhD, foi missionário no Oriente Médio, leste da Ásia, Alasca e atualmente no Sudeste Asiático, onde desenvolve recursos teológicos e capacita pastores e missionários nativos. A partir de sua localização internacional, também dirige o Mestrado em Liderança Global no Western Seminary. É autor do novo livro The Missionary-Theologian.

Fonte: Founders Ministries

 

The following two tabs change content below.

Martha Claros

Diretora da Área de Comunicação da COMIBAM

Comments are closed.