Esperança invisível: a viagem de uma missionária como paciente de COVID-19

mujer-internada

Por Michelle Harlea

Mesmo em meio a problemas de saúde, pode-se descansar na esperança de Cristo.

Posso lembrar como se fosse ontem.

Havia passado o dia nas montanhas com minha família, simplesmente desfrutando a beleza de tudo, e quando deitei a cabeça no travesseiro, me senti tomada por um sentimento de orgulho.

Haviam sido quatro meses incrivelmente longos de recuperação após um estranho acidente de motocicleta, que me deixou com um pé esmagado. No entanto, naquele dia eu havia caminhado sem bengala e ia dormir pela primeira vez sem uma almofada debaixo do pé. Senti-me tão humilhada pela graça do Senhor por guiar minha cura e tão orgulhosa do trabalho árduo que tinha feito para chegar a esse ponto. Estava com muita disposição para começar a me recuperar de novo!

Então acordei na manhã seguinte, 29 de outubro de 2020, com febre alta, dores no corpo e a horrível percepção de que não conseguiria caminhar para lugar nenhum, muito menos me levantar da cama.

Apenas quatro dias depois, recebi o que tínhamos deduzido: deu positivo para COVID. Meu marido, nossos quatro filhos e eu tínhamos contraído a COVID enquanto estávamos com máscaras e socialmente distantes na igreja da nossa aldeia.

Estava frustrada porque ficaria abatida com algo uma vez más, mas confiava no conhecimento de que, em apenas uns dias, duas semanas no máximo, voltaria a me sentir bem e voltaria a me concentrar no meu pé.

No entanto, aqui estamos nós, quatro meses depois, e enquanto estou sentada aqui, escrevendo, estou coberta com três mantas, apoiada na cama, onde passo a maior parte dos meus dias agora. Estou doente desde aquela data e agora sou oficialmente uma paciente com COVID de longo prazo. Minha família e eu fomos obrigados a sair da Romênia devido à minha condição médica em declínio em meados de dezembro e, embora em minha mente eu estivesse planejando estar nos Estados Unidos por apenas seis semanas, estamos aqui desde então. Perdi a capacidade de fazer quase tudo por mim mesma e, em meus melhores dias, fico no sofá o dia todo em vez de estar na cama.

Todas as manhãs me desperto sem saber o que o dia me reserva no que se refere à minha saúde. Estou experimentando o que muitos denominaram “saco de surpresas” dos sintomas. Imagine colocar sua mão em um saco e tirá-la cheia de coisas. Depois, na manhã seguinte, fazendo a mesma coisa, uma e outra vez durante meses, sem saber realmente o que os próximos dias trarão. Os sintomas que estou experimentando variam de severo a leve em qualquer combinação destes: tosse, febre, dor muscular, dor nas articulações, dor nas costas, dor de cabeça, insônia, confusão, névoa mental, amnésia, alucinações, náuseas, desmaios e mudanças de apetite. Estou com oxigênio em casa, pois meus níveis de oxigênio ainda não estabilizaram e minha frequência cardíaca está constantemente errática, o que causa tremores em meus músculos, geralmente em meus braços.

Fui submetida a exames médicos de todos os tipos possíveis e todos os resultados não mostram nada de errado. Tomei vários remédios sem uma ajuda real. Os médicos me disseram que isto é “normal” para a COVID de longo prazo e que eu deveria esperar sentir-me assim durante “um tempo”. Depois de fazer uma pesquisa, descobri que, embora esta resposta médica não faça sentido, ela é a norma para a COVID de longo prazo. Igualmente inexplicável, a doença fez com que meu corpo começasse a se atacar e, a partir de agora, meus cuidadores dizem que não há nada que possa ser feito, apesar de nossa expectativa normal de que a maioria das doenças possa ser combatida com comprimido, descanso ou hidratação.

Então, o que você faz? Quando você não pode confiar em nada que já foi confiável, quando a sabedoria chega ao fim, quando você deu cada passo que sabe dar, então o quê?

Sua esperança.

Em 2 Coríntios 4:16-18, encontramos a promessa perfeita para momentos como este:

Por isso não desanimamos. Embora exteriormente estejamos a desgastar-nos, interiormente estamos sendo renovados dia após dia, pois os nossos sofrimentos leves e momentâneos estão produzindo para nós uma glória eterna que pesa mais do que todos eles. Assim, fixamos os olhos, não naquilo que se vê, mas no que não se vê, pois o que se vê é transitório, mas o que não se vê é eterno.

Meu corpo é incapaz de fazer as coisas que podia fazer há apenas alguns meses, e minha mente é inconstante e não consegue lembrar-se das coisas mais simples nem processar informação nova, mas o Senhor não muda! Suas promessas não podem mudar.

Então eu me concentro no invisível. Sim, espero com muita ilusão despertar e recuperar fisicamente o estado anterior do meu corpo, mas até esse dia, espero.

Odeio as circunstâncias, detesto o estado pecaminoso da doença, choro em lamento pelo estado de nossas vidas antes do retorno de Cristo. Clamo em verdade diante do Pai, que é mais do que capaz de aceitar minhas honestas súplicas e queixas. Mas também continuo a confiar. Continuo a lutar para me concentrar no invisível e permitir que o visível se desvaneça diante da glória de Seu rosto.

Quando você se encontrar consigo mesmo, ou com aqueles ao seu redor, em uma época de conflito, lembre-se a você mesmo e a eles do incomparável peso eterno de glória que está por vir. Chorem juntos, mas chorem de esperança, sabendo que Ele pode renová-los dia após dia.

Michelle Harlea serve na Romênia com seu esposo Cristian e seus quatro filhos em plantação de igrejas e evangelização.

Fonte: https://www.abwe.org

 

The following two tabs change content below.

Comments are closed.