Desafios e benefícios de se casar no campo missionário

anillos

Por Harper McKay

Apenas uma semana depois de estarmos no campo, meu esposo e eu estávamos tomando chá com duas mulheres muçulmanas em nosso bairro. As avós sorriram conosco, felizes por terem visitantes durante a tarde.

Enquanto bebia o chá quente e comia lanches que nunca tinha visto antes, fiquei maravilhada com o acesso que tínhamos conseguido em questão de dias. Sozinho, ele não poderia beber chá e conversar com essas mulheres sem fazê-las levantar as sobrancelhas. E sendo introvertido, provavelmente levaria mais de uma semana para encarar uma visita inesperada a um vizinho que ele não conhecia. Mas lá estávamos nós, conversando com eles como amigos, obtendo informações valiosas sobre nosso novo bairro e abrindo possibilidades para nossos primeiros relacionamentos profundos.

Deus chama todos os tipos de pessoas para o campo missionário: estudantes, aposentados, solteiros, casais, famílias numerosas etc. Cada um de nós leva algo único aos lugares para onde Deus nos envia. Nesta etapa da vida, meu marido e eu estamos casados há pouco mais de dois anos e ainda não temos filhos.

Tem sido gratificante e desafiador navegar na transição da condição de solteira para o casamento e, ao mesmo tempo, passar pela revisão que vem com a mudança para o outro lado do mundo.

Embora sejamos relativamente novos no casamento e em nosso atual local de serviço, temos aprendido algumas lições valiosas nessas transições.

Desafios para os missionários casados

Independentemente codependentes

Descobrir como trabalhar juntos e prestar atenção às necessidades individuais um do outro pode ser um desafio. Meu esposo e eu servimos anteriormente no campo como solteiros, onde só tínhamos que considerar as necessidades individuais ao fazer planos. Rapidamente notamos certo atrito após tentarmos encaixar nossos horários como casados.

As suposições dos outros

Um de nossos maiores desafios tem sido as suposições que fizeram sobre nós. Muitas vezes ouvimos de outros missionários que as coisas são fáceis para nós porque não temos filhos. Embora saibamos que as pessoas nunca têm a intenção de nos desanimar, com frequência nos afastamos de conversas como essas, perguntando-nos se algo está errado conosco, porque as coisas não parecem “fáceis”. Entrar num novo país, aprender um novo idioma e trabalhar juntos para cumprir a missão não são tarefas fáceis. Apesar de não termos filhos, ainda lutamos para reunir a energia necessária para fazer o trabalho que somos chamados a fazer.

Os moradores locais também fazem suposições sobre nós porque estamos casados há dois anos e ainda não temos filhos. Várias pessoas me disseram que tudo o que preciso fazer é comer isto ou aquilo e eu ficaria grávida. As pessoas dentro de nossa nova cultura começam a especular que algo está errado se você não estiver esperando um bebê após seis meses de casamento. Não é costume eles esperarem para começar uma família.

Construir uma fortaleza

Outra luta, que abrange famílias de todos os tamanhos, é a tentação de nos proteger quando as coisas ficam difíceis. Queremos fugir do desconforto e nos refugiar em nossas famílias onde nos sentimos seguros. Em uma cultura tão diferente, pode ser cansativo tentar “encaixar” o que nos faz sentir a necessidade de um descanso. O desafio aqui é fazer uma pausa sem nos separarmos constantemente de nossa nova cultura de acolhimento. Se nossas casas se tornarem nossos pontos fortes, poderemos manter nosso conforto, mas impediremos que novas pessoas entrem.

Beneficios de estar casados no campo missionário

Equipe incorporada

Servir no campo missionário como casal tem a vantagem adicional de um companheiro de equipe integrado. Meu esposo e eu somos caixas de ressonância um para o outro. Podemos ter acesso a pessoas e lugares que talvez não teríamos por conta própria. Jogamos com as forças um dos outro, trabalhando juntos para divulgar o evangelho para as pessoas que servimos. No final dos longos dias, podemos conversar e aprender um com o outro.

Mais tempo para se concentrar

Nossa situação nos permite mais tempo para nos concentrarmos em coisas fora de casa. Vemos os benefícios de poder criar um horário para praticar o idioma e visitar nossos vizinhos, o que não gira em torno de horas de sesta e atividades escolares. Mães e pais têm preocupações que ainda não conhecemos, e reconhecemos a necessidade de aproveitar ao máximo este tempo para nos concentrarmos na aprendizagem de nossa nova cultura e língua.

Acolhidos pela comunidade

O fato de sermos casados nos abriu algumas portas para nos relacionarmos com outras famílias. Muitas pessoas em nosso país anfitrião assumem que os ocidentais vivem juntos sem serem casados, o que é algo que rejeitam em sua cultura. Quando dizemos a uma nova pessoa que somos casados, vemos uma mudança imediata em seu comportamento e ela olha para nós com alívio e aprovação. Nossos amigos nos recebem em suas casas e temos pontos em comum tanto com casais mais velhos como com os mais jovens.

Conselhos para casais que estejam considerando a obra missionária no exterior

Se estão casados e considerando servir no exterior:

  • Desenvolvam o ministério juntos agora. Compartilhem o evangelho e discipulem outros casais ou solteiros em equipe. Isto os ajudará a aprender a trabalhar em conjunto e a construir sobre os pontos fortes um do outro.
  • Pratiquem uma boa comunicação. Sejam abertos com o outro sobre suas preferências e necessidades. Conheçam a si mesmos e ao outro para que possam cuidar um do outro no campo.
  • Escolham uma tarefa que se ajuste tanto com seus dons como com seus pontos fortes. O trabalho que vocês escolheriam como solteiros pode não ser o melhor para os dois como casal.

Quando nos casamos, meu esposo e eu pensamos que ficaríamos nos Estados Unidos por vários anos para ter uma vida “normal” de recém-casados. Deus obviamente tinha planos diferentes, e estou muito feliz que Ele o tenha feito. Embora nem sempre tenha sido fácil, tivemos uma transição alegre para o trabalho matrimonial e missionário, crescendo e aprendendo ao longo do caminho. Se você é casado e sabe que são chamados a sair para o campo, não espere até um momento “melhor”. Se Deus os chama para ir como casal, Ele lhes dará a graça que precisam para cada transição.

Harper McKay é uma escritora que trabalha junto a seu esposo no Sudeste Asiático com a IMB.

Fonte: International Mission Board

The following two tabs change content below.

Martha Claros

Diretora da Área de Comunicação da COMIBAM

Comments are closed.