Choque cultural inverso: quando no lar já não se sente como em casa

regreso

Por Meredith Cook

Passei o verão de 2014 em um país da Ásia Central em uma viagem prolongada de observação para ver se o Senhor estava me levando para servir lá por um longo prazo. Estava lá há apenas duas semanas quando a realidade se instalou. A emoção de um novo lugar, uma bela cidade e uma cultura cheia de novas experiências rapidamente se desvaneceu.

A adaptação ao fuso horário pareceu demorar mais que o normal. Não conseguia dormir bem. Ficava frustrada com o barulho constante da cidade e me cansava a comida. Não sabia nada da língua. Não conseguia entender como me relacionar com as pessoas. Certamente não esperava que aderissem às minhas próprias normas culturais, mas tive dificuldade em aprender como me relacionar com as deles. O chamado à oração que soava cinco vezes ao dia me lembrava da escuridão espiritual do lugar e me senti impotente para fazer algo a respeito.

Se você passou mais de duas semanas em uma cultura diferente, como eu passei, é provável que tenha experimentado um choque cultural. O choque cultural ocorre quando a falta de familiaridade e as diferenças de uma nova cultura se tornam esmagadoras e desorientadoras.

Para os missionários que passam anos em um novo lugar, o choque cultural geralmente ocorre durante seu primeiro ano. À medida que desaparece a fase de lua-de-mel ao entrar em uma nova cultura, as diferenças tornam-se aparentes e os missionários podem sentir frustração, ansiedade, solidão e outras emoções difíceis, enquanto tentam navegar numa terra estrangeira que supostamente devem chamar de lar.

Eventualmente, no entanto, eles se ajustam. À medida que aprendem a língua, se familiarizam com as normas sociais, fazem amigos e aceitam as diferenças do país anfitrião, isso já não parece tão novo e desconhecido. Começam a adaptar-se ao seu novo ambiente e podem participar mais confortavelmente da vida cotidiana.

O choque cultural, mesmo que nem todos o tenhamos experimentado, é provavelmente um conceito familiar. Podemos entender conceitualmente o que acontece. Faz sentido. É claro que a adaptação a uma nova cultura seria difícil.

Mas você sabia que também há “choque cultural inverso”?

O que é choque cultural inverso?

O choque cultural inverso é quase idêntico ao choque cultural, só que ocorre quando uma pessoa regressa à sua cultura de origem. Depois de passar um tempo significativo aprendendo a se sentir à vontade em outra cultura, os missionários que voltam para casa podem ter uma visão diferente da cultura em que cresceram. Podem até sentir nostalgia pela cultura que deixaram. Os missionários que regressam enfrentam a realidade de se adaptar a um lugar que deveria ser familiar, mas não é mais.

Para aqueles de nós que não passaram um tempo significativo no estrangeiro, a ideia do choque cultural inverso pode ser confusa. Afinal de contas, aqueles que regressam a seu país supostamente estão regressando para casa. Estão voltando para tudo o que deveria ser familiar e confortável.

Mas a realidade é que aqueles que fizeram um lar em uma nova cultura provavelmente não sintam que voltaram para casa. Não só a cultura de origem parece mais estranha, como as coisas em casa também não são como as deixaram. Os amigos podem ter-se mudado, casado ou tido bebês. Talvez um membro da família tenha morrido enquanto estavam fora. Todos estes fatores contribuem para reverter o choque cultural.

Como a igreja local pode ajudar?

É aqui que entra a igreja local. É importante para nós estarmos familiarizados com o conceito de choque cultural inverso e esperar que isso aconteça quando nossos amigos missionários retornarem do campo. Embora seja possível que os tenhamos apoiado enquanto estiveram no estrangeiro, o apoio não termina quando regressam. Estas são algumas formas de apoiarmos os missionários quando voltam para casa.

Orar

A oração deve preceder tudo o que fazemos. Quando os nossos missionários voltarem para casa, devemos orar por todos os aspectos de sua transição.

Deveríamos orar para que possam reajustar-se à cultura que um dia chamaram de lar. Devemos orar por seu estado emocional, mental e espiritual, para que confiem que o Senhor que os sustentou durante seu tempo no exterior é o mesmo Senhor que os guiará em sua transição para casa. Devemos orar para que o Senhor proporcione um lar, um trabalho, uma comunidade de apoio à igreja, e outras necessidades básicas.

Também devemos orar para que possamos escutá-los humildemente, encorajá-los e ajudá-los a fazer a transição para casa o melhor que pudermos.

Receber bem

Um ouvido que escuta faz muito. Preocupe-se genuinamente com seu tempo no estrangeiro e com as pessoas a quem servem. Faça perguntas sobre sua cultura anfitriã e seu ministério, e não sobre como foi sua “viagem”. Vá com eles a um restaurante que serve a comida que eles comeram no exterior. Ore com eles pelos amigos que deixaram e que talvez não conheçam Jesus. Permita que compartilhem histórias com você para ajudá-los a processar verbalmente o que sentem e como podem estar lutando. Mostre hospitalidade e apresente-os a novos amigos que também podem ajudá-los.

Responder com graça

Partes da cultura do país de origem podem frustrar um missionário que regressa. Tive vários amigos missionários que chegaram em casa e ficaram horrorizados com o custo da comida aqui, inclusive as comidas rápidas. Este é só um pequeno exemplo de choque cultural inverso.

É possível que não entendamos porque algo que nos parece tão normal é tão frustrante para alguém que regressa ao país. Mas muitos missionários têm passado tanto tempo longe que as normas culturais já não são normais para eles. Se ocorrerem frustrações, responda com graça e com toda a compreensão que puder.

Nesse sentido, seja paciente com seus amigos. Conheço missionários que se movem sem problemas entre culturas, mas também conheço muitos outros que levam meses ou anos para se reajustarem à cultura do seu país, se é que conseguem. Alguns missionários, especialmente aqueles que passaram a maior parte de suas vidas no exterior, talvez nunca voltem a sentir-se em casa em seu país de origem.

Seja qual for a etapa em que estejam seus amigos missionários que retornaram, não espere que sejam a mesma pessoa que eram quando se foram. Abrace sua mistura de atributos culturais, enquanto tentam combinar a cultura em que nasceram com a cultura que adotaram.

Oferecer ajuda prática

Os missionários que regressam têm muita logística com a qual lidar em seu retorno, o que contribui para reverter o choque cultural. Isso pode incluir, mas não está limitado a: moradia, carro, trabalho, seguros, escolas, médicos e mais. Os missionários se acostumam a calcular a logística em seus países de acolhimento e, por isso, reajustar-se aos sistemas de seu país de origem pode ser estressante e desconcertante. Lidar com um seguro de saúde é estressante para qualquer um; só imagine como esse stress poderia ser agravado se você estivesse tratando de resolvê-lo depois de ter vivido durante anos no exterior.

Há muitas maneiras de você ajudar de forma prática com essa logística. Ofereça-se para cuidar dos filhos deles enquanto procuram um lugar para morar. Empreste um carro para eles enquanto procuram um próprio. Se conhece algum, dê a eles recomendações de bons médicos e agentes de seguros. Transmita qualquer informação que você ouvir sobre possíveis ofertas de emprego.

É uma evidência da graça de Deus que todos os crentes, incluindo os missionários que regressam, podem ter comunhão com outros crentes na comunidade da igreja local. Como igreja, temos a oportunidade de apoiar os missionários em todas as etapas de seu serviço, incluindo seu regresso, à medida que experimentam o choque cultural inverso e se ajustam à vida no lugar que alguma vez chamaram de lar.

Meredith Cook é editora de conteúdo da Junta de Missões Internacionais. Ela tem mestrado em missiologia pelo Southeastern Baptist Theological Seminary. Ela e seu marido moram em Houston, Texas.

Fonte: International Mission Board

The following two tabs change content below.

Martha Claros

Diretora da Área de Comunicação - COMIBAM Internacional

Comments are closed.